Ela morava na Espanha, mas foi chamada pela pátria ucraniana

Publicado por: MikeN
02/09/2023 05:55 PM
Exibições: 103
Divulgação/Redes Sociais
Divulgação/Redes Sociais

Alyona da Espanha, serve na Brigada da Polícia Militar de Donetsk 

 

Alyona nasceu em Volyn e viveu na Espanha por muitos anos. Ela era jornalista por formação, trabalhava como tradutora, tinha planos para o futuro, em uma palavra - uma vida estabelecida e perspectivas. Mas, como dizem, um patriota pode ser tirado de sua pátria, mas a pátria não pode ser tirada do coração de um patriota. A guerra trazida para nossa terra pela Rússia "forte" de Putin abalou tanto os residentes da Ucrânia quanto a diáspora ucraniana no exterior.

 

Desde o início da invasão em larga escala dos Rashists, Alyona tem ajudado refugiados da Ucrânia - fornecendo ajuda e apoio sempre que possível. Mas isso não foi suficiente para a mulher: já em novembro, ela decidiu retornar à Ucrânia e ingressar nas fileiras da Brigada de Defesa Territorial de Donetsk.

 

— Não pude ver como os ocupantes destruíam as cidades ucranianas, tinha que fazer alguma coisa. No início, ela ajudou refugiados, mas depois decidiu voltar para cá e defender o povo ucraniano com armas nas mãos, diz ela.

 

Depois de concluir o curso de formação inicial no centro de formação "Desna", continuou os seus estudos em Espanha, onde conheceu muitos outros recrutas ucranianos. O treinamento ocorreu em uma atmosfera de total apoio e camaradagem: tanto no treinamento quanto na batalha, você deve contar com seus companheiros de armas.

 

Os instrutores espanhóis elogiaram a perseverança e determinação dos ucranianos. Não havia uma atitude especial em relação a ela como mulher: todos têm os mesmos padrões, porque o inimigo não se importa com quem você é quando atira em você. O treino exaustivo valeu a pena: Alyona diz que se sente mais forte e pronta para qualquer desafio. Mas o mais importante é que ela conseguiu uma segunda família para ela - quase duzentos novos irmãos e irmãs de armas.

 

Durante o treinamento, a profissão de tradutor também foi útil. Logo no primeiro dia, ao desembarcar do avião, a ministra da Defesa espanhola, Margarita Robles, deu uma entrevista coletiva, mas não havia intérprete, e Alyona tomou a iniciativa. Desde então, segundo a mulher, eles se tornaram amigos e ainda mantêm contato.

 

A cooperação internacional, para além da componente militar, ajuda a aprofundar o conhecimento da comunidade mundial sobre a luta do povo ucraniano contra os invasores russos, nomeadamente através de entrevistas aos meios de comunicação espanhóis.

 

Os parentes de Alyona, seu irmão e sua mãe, ficaram inicialmente preocupados e a desencorajaram de ir para a guerra, porque ela nunca havia segurado uma arma nas mãos antes. No entanto, a militar está firmemente convencida de sua escolha e pretende ficar na Ucrânia até o fim da guerra.

 

Atualmente, ela atua como sinaleira - um trabalho vital, não menos importante que o de metralhadora ou médica de combate. Ela é uma das muitas ucranianas que largaram tudo e defenderam a Pátria, apesar das dificuldades e perigos. A segurança e o futuro da Ucrânia estão sobre seus ombros, então desejamos sucesso a eles.


Por Alla Ryadynska c/foto de Volodymyr Khomych

Com informações do ArmyInform (UA)

 

Vídeos da notícia

Imagens da notícia

Tags:

Mais vídeos relacionados